Categoria: Impotência

Home remédios fáceis para impotência masculina (disfunção erétil)

Home remédios fáceis para impotência masculina (disfunção erétil)

A impotência sexual nos homens é um problema comum cuja frequência tende a aumentar com a idade. Então, antes de começar a perder seu poder sexual, entenda que ser impotente não significa que você tenha que sofrer o problema para sempre.
Os remédios caseiros são úteis para ajudar os homens a alcançar maior potência sexual. ‘Alguns desses remédios podem ajudar, mas podem se mostrar ineficazes para outros. A experiência com diferentes remédios caseiros produz resultados benéficos para casos menos avançados’, adverte o Dr. M.P. Mani, (Bacharel em Medicina Ayurvédica e Cirurgia).
Aqui estão alguns dos remédios caseiros mais comuns para tratar a impotência sexual masculina.
Tratamento de impotência sexual usando alho
O alho é um dos vegetais mais comuns encontrados em casa que é benéfico no tratamento da impotência sexual. Dr. Mani diz: ‘O alho tem sido referido como a penicilina do pobre’, porque serve como um anti-séptico eficaz e Rejuvenescedor do sexo, pode melhorar as atividades sexuais que foram danificadas devido a um acidente ou a uma doença. O alho é importante para as pessoas que abusam do sexo para se protegerem da exaustão nervosa. ‘
Faça isso em casa: Mastigue dois a três dentes de alho cru diariamente. Mastigar regularmente dois ou três dentes de alho cru ajuda a tratar a impotência sexual. Além disso, comer pão de alho preparado com grãos integrais ajuda na produção de espermatozóides saudáveis.
Tratamento de impotência sexual usando cebola
A cebola é considerada um afrodisíaco eficaz e um dos melhores potenciadores da libido, mas as suas propriedades não são geralmente conhecidas.
Faça isso em casa: Pegue uma cebola branca, retire, esmague e frite a manteiga. Esta mistura pode ser tomada diariamente com uma colher de mel, mas certifique-se de consumir esta mistura quando seu estômago estiver vazio por pelo menos duas horas. Este remédio ajuda a tratar a ejaculação precoce, a impotência e a perda involuntária de sêmen durante o sono ou outras vezes (conhecida como espermatorréia).
Além disso, mergulhe o pó de grama preta no suco de cebola por sete dias e depois seque a mistura. Esta mistura é um afrodisíaco forte e pode ser tomada diariamente para melhorar o desempenho sexual.
Tratamento de impotência sexual usando cenoura
As cenouras são consideradas valiosas na cura da impotência.
Faça em casa: Pegue 150 g de cenoura picadinha com um ovo meio cozido e uma colher de sopa de mel. Tome esta mistura, uma vez por dia durante um mês ou twolts. Pessoas que são geralmente tensas e sofrem de distúrbios sexuais podem encontrar alívio, pois este remédio caseiro aumenta a resistência sexual.
Tratamento de Impotência Sexual usando os Dedos da Senhora
O dedo da senhora é considerado um notável tônico para melhorar o vigor sexual.
Faça em casa: Tome 5 a 10 gramas do pó da raiz deste vegetal com um copo de leite e duas colheres de chá de mishri moído (açúcar doce) diariamente. O uso regular desta receita ajuda na restauração do vigor sexual.
Tratamento de Impotência Sexual usando Espargos
As raízes secas de aspargos (ou musli branco) são usadas na medicina Unani como um afrodisíaco.
Faça em casa: Tome 15 gramas de raízes secas de aspargos e ferva com uma xícara de leite. Tome esta mistura duas vezes ao dia para resultados satisfatórios. O uso regular desta receita é valioso para curar a impotência e a ejaculação precoce.
Tratamento de impotência sexual usando baqueta
A baqueta é muito útil como um tônico sexual no tratamento de debilidade sexual e esterilidade funcional em homens e mulheres. O pó da casca seca também é valioso na impotência, na ejaculação precoce e na magreza do sêmen.
Faça em casa: Ferva 15 g de flores de baqueta em 250 ml de leite. Esta sopa é um tônico sexual eficaz para homens e mulheres. Alternativamente, ferva 120 g de casca seca em pó em ¼ litro de água por 30 minutos e depois misture 30 g deste pó com 1 colher de sopa de mel. Tome esta receita 3 vezes ao dia para bons resultados.

Leia também: Estimulante sexual masculino qual é o melhor
Tratamento de Impotência Sexual usando Gengibre
O suco extraído do gengibre é um afrodisíaco valioso e benéfico no tratamento das fraquezas sexuais.
Faça em casa: Tome meia colher de chá de suco de gengibre com um ovo meio cozido e mel, uma vez por dia à noite, durante um mês. Diz-se que esta receita alivia a impotência, a ejaculação precoce e a espermatorréia.
Tratamento de impotência sexual usando datas secas
As tâmaras secas são um alimento altamente fortalecedor e têm a capacidade de restaurar o impulso sexual, aumentar a resistência e melhorar a vitalidade geral, ao mesmo tempo que promovem um estado mental zen.
Faça em casa: Pounded e misturado com amêndoas, pistache e sementes de marmelo em quantidades iguais, cerca de 100 g de datas secas devem ser tomadas diariamente para excelentes resultados.
Tratamento de Impotência Sexual usando Passas
Ayurveda recomenda passas pretas para o restabelecimento do vigor sexual.
Faça em casa: Lave as passas pretas com água morna e ferva-as com leite, que as deixa inchadas e doces. Coma essas passas com leite para obter os resultados desejados. Você precisa começar com 30 g de rais

O que é disfunção erétil?

O que é disfunção erétil?

A disfunção eréctil (impotência) é a contínua desafio do homem para obter ou manter uma erecção, pode sinalizar doenças crónicas.

Muitos homens têm medo quando eles não podem manter uma ereção e, embora seja normal ao longo do tempo, este evento pode ser um sinal de que há algo errado no corpo ou na mente do paciente. Se você ocorre com frequência (uma vez a cada 4 sexo), o ideal é encontrar um médico.

Leia também: Remédio para impotência

Estima-se que a impotência afeta 12% dos homens com menos de 60 anos de idade, desmistificando a idéia de que este é um problema de idade. No entanto, é um fato que é mais comum em idosos: entre os mais de 70 anos, o problema ocorre em 30% dos homens.

As causas de disfunção eréctil são variados e podem ser de origem física (como doenças vasculares), mental (tais como depressão), ou mesmo em relação ao estilo de vida (por exemplo, fumando).

Actualmente, existem vários tratamentos para a disfunção eréctil, e ainda outros são estudados. Portanto, não tenha vergonha de visitar um médico urologista se você tem o problema com o tratamento, você só tem a ganhar!

Como a ereção ocorre?
Às vezes vem do nada, em outro bem definido que ela precisa para ter sucesso estímulos eróticos. De qualquer forma, a ereção depende de um mecanismo muito específico para funcionar.

O pénis é composto por três tubos longos: dois corpos cavernosos que de lado a lado e um corpo esponjoso que abriga a uretra, localizado na parte inferior do corpo permanecem.

Os corpos cavernosos são responsáveis ​​pelo aumento de volume e rigidez durante a ereção. Quando o órgão está relaxado, é mais como uma esponja seca e maleável. E quando erecção, o cérebro envia sinais para as artérias da região estão dilatadas, libertando mais sangue para esses tubos. Então, os corpos cavernosos são embebidas com sangue e aumentar em volume e rigidez, como uma esponja, em contacto com a água.

Este aumento no volume nos tubos faz com que os corpos cavernosos ‘apertar’ as veias que drenam o sangue do pênis, garantindo que o sangue permanece lá, deixando o stiff e volumosos para ficar ereto mais longo do corpo.

Qualquer dificuldade neste processo, uma vez que os sinais nervosos para a dilatação das artérias, pode causar disfunção eréctil mecanismo.

Causas
disfunção eréctil está ligada a uma série de razões, alguns deles realmente relacionado diretamente ao pénis. Algumas são mais comuns em determinadas idades, enquanto outras podem ocorrer a qualquer momento. entenda:

Psicológico
Ansiedade
Ansiedade é uma reação fisiológica normal quando você precisa tocar alguma coisa. No entanto, pode ocorrer em momentos inoportunos e isso cria um distúrbio psicológico.

No que diz respeito a ereção, a ansiedade prejudica essa função devido à liberação de adrenalina na corrente sanguínea. Este hormônio faz com que os vasos sanguíneos permanecem mais perto e, portanto, o sangue tem dificuldade em obter para o pênis.

Depressão
Outro distúrbio psicológico relacionado à ereção é a depressão, que se caracteriza por uma intensa tristeza e perda de interesse em atividades prazerosas. Sabe-se que, em muitos casos, a depressão da libido diminui e, consequentemente, erecção é prejudicada.

Estresse
Situações estressantes liberar vários hormônios na corrente sanguínea que dificultam a circulação para o pênis.

Orgânico
Problemas vasculares
Como erecção depende do fluxo sanguíneo para o pénis, qualquer condição que interfere este processo pode ser a causa de disfunção eréctil. Alguns desses problemas são o endurecimento das artérias (aterosclerose) acontece geralmente com a idade, acidente vascular cerebral, hipertensão, problemas cardíacos e colesterol alto.

Problemas neurológicos
Lesões na medula espinal, esclerose múltipla e degeneração de nervos são todas as condições que podem ser ligados a impotência sexual. Isto é porque, não raras vezes, estas condições cruzam o caminho de nervos, impedindo a chegada de sinais nervosos para o pénis, ou até mesmo danificar os próprios nervos peneianos.

Problemas hormonais
Os desequilíbrios hormonais, especialmente a falta de testosterona influenciam grandemente a capacidade de ter uma qualidade de ereção.

Priapismo
O priapismo é uma condição em que uma erecção não é causado pelo desejo sexual, duração longa atípico surge: 4 horas ou mais. Isto ocorre geralmente devido a um impedimento de entrada ou de saída anormal de fluxo de sangue no pénis, causando uma erecção prolongada.

O problema é que esta condição do dano de tecido peniano, o que pode subsequentemente resultar em disfunção eréctil.

Diabetes
Com certa frequência, o dia

Fonte: https://www.valpopular.com/remedio-para-impotencia/

Disfunção erétil

Disfunção erétil

De origem física ou psíquica, esse problema, ainda tabu, afeta milhões de homens em todo o mundo. Se este for o seu caso, você deve saber que a disfunção erétil tem uma solução e pode ser prevenida. Descubra como.

A prevenção da disfunção erétil visa evitar, na medida do possível, os fatores de risco que contribuem para o seu surgimento. Como vimos, embora as chances de sofrer de disfunção erétil aumentem com a idade, esse distúrbio, que afeta diretamente sua qualidade de vida, não é uma conseqüência inevitável do envelhecimento. No entanto, há uma série de doenças e hábitos nocivos, como tabagismo e alcoolismo, que predispõem ao aparecimento desse problema.

É possível, portanto, prevenir o desenvolvimento da disfunção erétil adotando estilos de vida saudáveis ​​dos jovens ou modificando aqueles que são incorretos. Algumas medidas que podem ser adotadas são:

Deixar de fumar
Deixar de fumar
Numerosos estudos associaram a disfunção erétil ao tabagismo. O tabaco dificulta a circulação sanguínea, de modo que o pênis recebe menos risco. O tabaco tem a capacidade de alterar a síntese de óxido nítrico (NO), uma molécula que tem a função de células musculares dilatando veias, facilitando o fluxo sanguíneo e aumentar a oxigenação de tecidos, o que favorece a erecção. Os efeitos prejudiciais do tabaco podem ser mantidos após a cessação, mas estudos indicam que adultos jovens que param de fumar reduzem o risco de disfunção erétil no futuro.

Não abuse do álcool
Não abuse do álcool
Se este é um abuso ocasional, os efeitos imediatos do resultado consumo excessivo de álcool, no sentido de emoção sentida pelo bebedor não é acompanhado pela rigidez peniana habitual, ou seja, a rigidez é menor do que quando nenhum consumir álcool. No caso do alcoolismo crônico, a disfunção erétil está diretamente relacionada ao tempo, frequência e quantidade de álcool ingerido pelo paciente. Em certos casos, o alcoolismo pode causar uma disfunção erétil permanente que não remete mesmo depois de deixar o vício, por isso é vital eliminar ou minimizar o consumo de álcool o mais rápido possível.

Realize o exercício
Realize o exercício
Como em muitas outras condições, o sedentarismo é um importante fator de risco para o desenvolvimento da disfunção erétil. O exercício físico praticado regularmente (pelo menos 3 ou 4 vezes por semana, durante pelo menos 30 minutos) tem inúmeros benefícios, diminui as chances de sofrer de doenças cardiovasculares, reduzindo o colesterol ruim e promovendo a circulação sanguínea. Devido à estreita relação entre os distúrbios cardiovasculares e da disfunção eréctil, prevenir tais doenças (doença cardíaca, hipertensão, hipercolesterolemia, arteriosclerose), ainda mais a protecção contra a disfunção sexual.

Controlar o peso
Controlar o peso
O excesso de peso e a obesidade estão relacionados a distúrbios metabólicos que podem levar ao diabetes mellitus, uma doença fortemente associada à disfunção erétil. Portanto, é necessário seguir uma dieta saudável e balanceada combinada com a prática de exercício recomendada no ponto anterior, para evitar o excesso de peso e suas consequências indesejadas.

Leia também: Viagra Natural

Resto
Resto
Falta de sono, estresse e atividade excessiva podem diminuir a libido e causar disfunção erétil. Buscando ter horas de descanso mais eficazes é vital para traçar o seu desejo.

Não se auto-medicar
Não se auto-medicar
Certos medicamentos podem causar disfunção erétil. Você nunca deve tomar medicamentos sem supervisão médica e, no caso de continuar o tratamento devido a uma doença crônica, outras medidas devem ser adotadas (como dieta adequada e exercícios) que ajudem a minimizar a dose de medicação necessária. para obter os resultados.

Fonte: https://www.valpopular.com/viagra-natural/

‘Isso nunca aconteceu’: 15 milhões de brasileiros têm disfunção erétil

‘Isso nunca aconteceu’: 15 milhões de brasileiros têm disfunção erétil

Problema atinge 30% da população masculina; veja mitos e verdades
O clima começa a esquentar, as luzes ficam baixas e os beijos começam a ficar mais intensos. Ela sussurra no seu ouvido, você fala umas coisas pra ela e as roupas vão sendo esquecidas a caminho da cama. Daí, com a maior pinta de garanhão, você ensaia partir pra cima; ela agora só aguarda você tirar a última peça. Você faz isso, olha para baixo e nada. Tenta resolver com a mão mesmo, mas não tem jeito. O pintinho, piu. Mais uma vez você brochou, quer dizer, “isso nunca aconteceu antes (sic)”.

Mas relaxe, você não está sozinho nessa. Manter o dito cujo em pé é mais difícil do muita gente pensa e, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 15 milhões de brasileiros – ou 30% da população masculina economicamente ativa – sofrem com a disfunção erétil.

A impotência sexual é um pesadelo para nós, eu entendo. Seu parceiro ou parceira também precisa entender. É mais comum que a impotência bata na porta daqueles que já passam dos 40 anos, explica Giuliano Amorim Aita, coordenador de Saúde Sexual do Departamento de Sexualidade e Reprodução da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). Mas os mais novos não estão imunes ao problema de saúde, até porque, podemos dividir as causas da impotência em dois grupos: a de ordem orgânica e a de motivação psicológica.

A orgânica, sim, pode afetar a parcela mais velha do público porque, geralmente, a disfunção aparece por conta de outros problemas de saúde, como a hipertensão e diabetes – que afeta mais essa faixa etária. Mas a de ordem psicológica está associada a um descontrole emocional, um grande nervosismo ou ansiedade na hora H. Ninguém está imune.

“O problema é caracterizado como uma dificuldade em obter ou manter uma ereção satisfatória para o intercurso sexual. A prevalência da doença aumenta com a chegada da idade. As disfunções de causas orgânicas são àquelas relacionadas a problemas de saúde que geram uma deficiência na ereção. Já a psicológica, além do estado de nervosismo e ansiedade, está associada também à depressão”, explica Giuliano.

Problemas hormonais
Mas há um outro fator que contribui para o baixo ou nulo desempenho sexual masculino. Algo que poucos homens que sofrem de impotência sequer ouviu falar: andropausa, que é a baixa produção hormonal que pode ser comparada, segundo Giuliano, com a menopausa que acomete as mulheres maduras.

De acordo com uma pesquisa feita pela SBU em parceria com a empresa Bayer, dos 3,2 mil homens entrevistados, todos com mais de 35 anos, 57% deles nunca ouviram falar em andropausa. 71% sequer conheciam os sintomas do problema hormonal. O levantamento foi feito em 2015 em oito cidades brasileiras, entre elas Salvador.

A andropausa, segundo o coordenador de saúde, é a baixa produção da testosterona, hormônio masculino indispensável para um bom desempenho na cama. O problema aparece em homens acima dos 40, mas tem tratamento, que é feito com a reposição da substância no organismo do paciente.

O paciente, explica o coordenador, não deixa de produzir os hormônios, mas a quantidade se torna insuficiente para uma boa libido. A produção cai com o decorrer do tempo, algo em torno de 1% a cada ano, calcula. “Não são todos os homens que vão ter os sintomas clínicos. Mas quando existe a queda laboratorial, os sintomas costumam ser a diminuição de humor, cansaço excessivo, perda de massa muscular, óssea, falta de libido e interesse sexual”, lista.

O ideal, pontua o urologista Modesto Jacobino, é que se tenha entre 50% e 60% da substância no organismo, o que corresponde a 400 ng/dL. Abaixo disso já pode ser considerado abaixo do normal, mas o especialista alerta: há homens, por exemplo, acima dos 40, com a taxa de hormônio próximo aos 300 ng/dL, mas que possuem uma vida sexual ativa.

“São pessoas com a taxa de hormônio baixa, mas que levam uma vida saudável, que comem bem, se exercitam e não possuem vícios”, destaca Modesto.

Estimulantes
Um operador de telemarketing de 36 anos, que preferiu não se identificar, achava que mal nenhum podia atingi-lo. Brochar na cama? Jamais! Coisa de gente velha, pensava. Entrou até na academia para melhorar a performance sexual, criar uns músculos. Bom, os bíceps cresceram, o peitoral também, mas lá embaixo nem com reza. Morreu Maria Preá. O culpado, acredita, foi o uso de anabolizantes.

“Entrei para a estatística. Tem um ano que estou sofrendo com isso. É horrível porque agora estou com o corpo massa, mas meu amigão aqui embaixo não colabora. É difícil falar desse assunto assim e, às vezes, as meninas não entendem o motivo pelo qual não quero transar”, lamenta.

O operador nunca procurou um médico, mas se rendeu aos estimulantes, o famoso “azulzinho”. Comprou na Feira de São Joaquim e a sensação depois do uso não foi nada excitante. “Já tomei estimulantes duas vezes para tentar funcionar, mas não deu certo porque fiquei com o coração acelerado e tive medo”, confessa.

Saiba mais: Prime Male benefícios

O uso dos estimulantes é normal entre aqueles que sofrem com a disfunção. Muitos adquirem o produto sem nenhuma prescrição médica. Abusam dos comprimidos e passam a usá-los de forma recreativa.

A mesma pesquisa realizada pela SBU revela que 62% dos entrevistados utilizavam essas substâncias por automedicação, recomendada por amigos, na farmácia ou por meio de informações encontradas na internet. Um grande erro de acordo com os especialistas.

“Existem medicações que são contraindicadas, por exemplo, para pacientes que têm limitações cardíacas e que, às vezes, toma o medicamento podendo sobrecarregar o músculo. Oitenta por cento dos pacientes respondem bem, mas o problema está no seu uso recreativo, na indicação que você pede ao vizinho, ou até aqueles que não precisam, mas acabam tomando só para impressionar a parceira para ter uma melhor performance”, explica.

A cobra subiu
Um advogado de 35 anos já tomou um estimulante prescrito por um médico. Ele começou a desenvolver o problema ainda na faculdade, quando tinha uma namorada. Com ela, foram diversas as tentativas de iniciar uma penetração. Tudo em vão.

“Falhava em quase todas as vezes. Isso abalou muito nosso relacionamento. Tanto que acabamos terminando. Mudei de cidade, fiz outra faculdade e busquei tratamento psicológico. Mas antes disso acabei engordando mais de 20 quilos. Aí a situação piorou. Fiquei quase seis meses sem conseguir transar com ninguém”, conta o advogado.

Mesmo se estimulando sozinho, nada do companheiro subir. O máximo que o advogado conseguia era deixar ‘meia-bomba’, mas não passava disso. “Mesmo me masturbando, não conseguia ficar 100% ereto. Comecei um tratamento sério nos últimos dois anos e de lá pra cá melhorou”, comenta.

“Agora só acontece [de falhar] quando eu estou muito nervoso. A primeira vez que funcionou de novo eu comecei a chorar transando”, relembra o advogado.

Ejaculação precoce
O problema não é fazer a cobra subir. É manter ela viva por muito tempo. É conseguir, por exemplo, manter o movimento de vai-e-vem por um período suficiente para os dois sentirem prazer, não apenas o apressadinho. É isso que os especialistas definem como ejaculação precoce: a incapacidade de controlar o gozo até um período que seja satisfatório para o casal.

Uma estudante de Jornalismo de 21 anos conheceu um cara atraente, boa pinta, mas na cama, conta ela, uma decepção. O galã não conseguia penetrá-la por mais de cinco minutos, e logo urrava de prazer. Ela, coitada, nem estava no ápice da transa, mas precisava fazer a personagem fria e fingir que tudo estava certo.

“Eu não sabia que era uma coisa pontual, até porque não éramos parceiros fixos, ou se esses problemas já vinham se arrastando. Era muito ruim porque eu criava uma expectativa e na hora quase nada. Nada, literalmente falando”, lembra a universitária.

A ejaculação precoce atinge, de acordo com o coordenador, cerca de 30% da população masculina. E o problema começa a aparecer ainda na juventude. Assim como a disfunção erétil, a ejaculação precoce também está associada a problemas psicológicos.

Para a sexóloga e fisioterapeuta pélvica Paula Milena, o problema da ejaculação precoce perpassa o nervosismo e a ansiedade. Em alguns, o problema de paciente é de autoestima, falta de confiança no próprio taco.

“Por mais que se fale no fator emocional, o mais importante mesmo é o fator autoestima. O homem precisa se cuidar e trabalhar a autoestima. Além disso, uma das formas de manter um bom desempenho é mantendo a masturbação”, explica Paula.

A estimulação, de acordo com a sexóloga, trabalha o músculo peniano e serve como espécie de “treinamento” para o bem bom. “Ficar sem se masturbar, além de afetar o músculo, faz com que você perca a prática. Mas é preciso cuidar também do físico e estar de bem com você mesmo”, conclui.

Seja mole, meia-bomba ou enrijecido, o fato é: o desempenho sexual de quase um terço dos homens, ao contrário do que quase todos contam na mesa do boteco, não é digno de participação em um filme pornô. Machismo? Sim, afinal, é preciso reconhecer as falhas, buscar ajuda, e o primeiro passo é assumir pra você mesmo. Depois, claro, procurar um urologista e iniciar os cuidados com a saúde.

Mitos e Verdades

Impotência sexual tem relação com outras doenças?

Muitas vezes, sim. De acordo com especialistas, o problema pode ser causado por doenças como obesidade, hipertensão e diabetes. Por isso, de acordo com Giuliano Amorim Aita, coordenador de Saúde Sexual do Departamento de Sexualidade e Reprodução da SBU, o homem precisa cuidar da saúde e visitar um médico periodicamente. Muitos pacientes, conta ele, chegam ao consultório procurando ajuda para a impotência, mas acabam saindo de lá com outros diagnósticos. “A impotência serve de porta para que eles nos procurem e fiquem sabendo que possuem outros problemas de saúde”, conta o especialista.

Os estimulantes sexuais ou a ‘azulzinha’ resolvem o problema?

Não. Quer dizer, o uso do medicamento [Viagra] garante que o paciente tenha uma noite de sexo, mas não resolve o problema da impotência a longo prazo. Para isso, o homem deve procurar um urologista para entender a raiz da disfunção e iniciar os tratamentos necessários.

Se masturbar todos os dias causa impotência?

Não. Pelo contrário, segundo a sexóloga e fisioterapeuta pélvica Paula Milena, além de praticar, o homem estimula os músculos penianos, garantindo uma boa performance na cama.

Apretechos e briquedinhos resolvem o problema da ejaculação precoce?

Sim. A ejaculação precoce pode acontecer devido ao estado de ansiedade, de nevorsismo. Os fetiches, a propósito, fazem o casal relaxar, além de ser divertido.

Impotência só atinge idosos?

Não. Embora a grande incidência seja em homens acima de 40 anos, o problema pode aparecer ainda na adolescência e, em alguns casos, se arrastar durante toda a vida, quando não há um acompanhamento médico.

Não sentir vontade de ter relação sexual todos os dias pode indicar impotência?

Não. Isso não indica que o homem tenha o problema. Ainda de acordo com o coordenador de sexualidade da SBU, deve haver um cuidado também em relações às impotências pontuais. “É normal que o homem ‘broche’ uma, duas, três vezes, mas isso não determina, necessariamente, que ele tenha disfunção. Agora, se isso se prolongar muito, durante meses, e em todas as relações, ele precisa procurar ajuda”, explica.

Devo procurar o médico só quando apresentar os problemas?

Não. Os especialistas orientam que, a partir dos 40 anos, os homens tenham um acompanhamento médico para tratar de toda a saúde.

Cigarro e a vida sexual

Se você já experimentou problemas de ereção , pode ser que você não necessariamente coloque todas as chances do seu lado adotando um estilo de vida saudável e escolhendo os alimentos que lhe permitirão florescer em sua vida. vida sexual.

Neste artigo, ajudamos você a melhorar sua vida sexual cortando apenas uma coisa, o tabaco.

Vamos!


Vamos começar pelo começo.

Quem está realmente preocupado com problemas de ereção?

Para a Organização Mundial da Saúde, a disfunção erétil é definida como “a incapacidade constante ou recorrente de alcançar ou manter uma ereção peniana suficiente para permitir a relação sexual”.  “

Em linguagem simples, é o fracasso! Sexo a meio mastro.

Na França, estima-se que a disfunção erétil diz respeito a:

  • 8% dos homens entre 20 e 29 anos
  • 11% de 30-39 anos
  • 15% de 40-49 anos de idade
  • 22% de 50 a 59 anos
  • 30% dos 60-69 anos
  • 37% dos mais de 70 anos.

Evidentemente, não é negligenciável.

Conheça nosso site de notícias predileto.

Mas não comece a se preocupar.

Nós só falamos sobre um problema de ereção quando o fenômeno é recorrente.

Para o resto, pode acontecer a todos nós ter um colapso.

E muitas razões podem explicar isso:

  • Você bebeu demais,
  • Você está muito cansado ou estressado demais
  • Você está ansioso porque tem medo de errar com um novo parceiro,
  • Você duvida da sua capacidade de lhe trazer prazer,
  • Não te agrada o suficiente para te excitar,
  • Qualquer outro bom motivo …

É hora de manter a cabeça fria e mostrar a ele que você tem mais de uma corda para o seu arco.

Se um dia você perceber que seu sexo está liberando você no pior dos momentos, você ainda tem seus dedos , sua língua ou brinquedos sexuais .

O objetivo é ter um bom tempo, se divertir e dar , não necessariamente para dar um orgasmo ao seu parceiro por penetração.

Mesmo que todos nós preferiríamos viver um cenário ideal …

Mas você não precisa fazer um fixette nele.

Se você não tem certeza de como reagir quando não consegue uma ereção no momento T, nós o convidamos a reler estes dois artigos sobre as preliminarese a arte de cunilíngua .

Eles podem ajudá-lo a salvar o dia.

Em resumo, se você conseguir se curvar normalmente na frente de um filme X, é provável que seus problemas de ereção estejam relacionados principalmente ao que está acontecendo em sua cabeça.

Mais do que um problema mecânico real .

Cabe a você desenvolver sua confiança em si mesmo para se sentir feliz e realizado em sua vida sexual.

E isso vai servir bem à medida que você envelhece quando vai enfrentar problemas eréteis relacionados à idade real.

Lembre-se que se você está feliz com o homem que é, que se vê como um bom parceiro e uma pessoa de sucesso, provavelmente aceitará melhor seus problemas de ereção.

Tendo dito isso, vamos ver como você pode fazer isso acontecer o mais tardar possível.

Pare de fumar para boas ereções e melhore sua vida sexual

Se você não quiser desistir, a escolha é sua. E ninguém vai te jogar a pedra.

Você tem pelo menos uma vantagem na sedução é desfrutar de todas as conexões permitidas pelo cigarro, inclusive comparecer ao fumódromo em bares para iniciar facilmente a conversa com uma mulher de quem você gosta.

Mas leia tudo o mesmo que seguirá.

O que você precisa saber é que o tabaco é prejudicial para as artérias .

Aqueles do seu coração ou do seu cérebro. Mas também, no caso que nos interessa hoje, aqueles do seu sexo.

Então, se você não tem medo de câncer de pulmão ou ataque cardíaco e as imagens nos pacotes de maços de cigarros não fazem você querer parar, saiba que você também pode sofrer de problemas de ereção.

Porque o seu pênis será menos bem irrigado.

Uma redução de 25% no fluxo sanguíneo para o seu sexo já terá um impacto muito negativo na sua ereção.

Não é à toa que o Viagra age principalmente promovendo um melhor fluxo sanguíneo.

Se você é um fumante, faça um pequeno teste.

Passe até 3 dias sem fumar. E você verá que terá ereções realmente intensas.

A razão para esse fenômeno é bem simples.

Quando você fuma, o nível de monóxido de carbono que você tem no seu sangue aumenta.

Este gás encolhe as artérias e reduz o fluxo sanguíneo. Isso afeta a qualidade de sua ereção.

Então, dê a si mesmo o mais belo de todos os presentes: pare de fumar para encontrar uma vida sexual melhor.

Ou faça pelo menos o teste de 3 dias. Apenas para ver como você se sente.

E se você realmente quiser parar, você pode obter o método Allen Carr, parece que funciona muito bem.